Como tirar a nacionalidade portuguesa – netos

06 fev 2017

Hoje vamos fugir um pouco da temática de viagem para compartilhar como tirar a nacionalidade portuguesa. Eu, Luciano, fiz todo o procedimento em 2015 e por conta própria. Esperamos que esse post seja útil!

Primeiramente é preciso registar que o procedimento aqui relatado se destina aos netos de portugueses. Caso você tenha pai ou mãe portugueses, o procedimento é outro, um pouco mais simples. Falaremos sobre esse procedimento em outra oportunidade.

Segundo: este procedimento é válido até a data de publicação deste post. Nos próximos meses o governo português vai publicar a regulamentação da nova lei de nacionalidade, aprovada em 2015, fazendo com que a lei entre em vigor. Estamos acompanhando e assim que isso acontecer vamos atualizar o post.

Eu demorei muito tempo até decidir pedir a nacionalidade. Meu pai veio para o Brasil na década de 1970 e logo se naturalizou brasileiro. Não contente, ainda averbou a naturalização em Portugal, perdendo a nacionalidade portuguesa por força da lei então vigente. A lei atual permitiria que ele readquirisse a nacionalidade portuguesa, mas como ele já faleceu eu tive de fazer o procedimento próprio para netos de portugueses. Só que eu achava que fazendo essa opção eu perderia a nacionalidade brasileira. Depois de algum tempo um amigo me avisou que o governo brasileiro não considera a naturalização com base no parentesco motivo para perda da nacionalidade e eu comecei a correr atrás da documentação e procurar todas as informações de como tirar a nacionalidade portuguesa.

Para quem não sabe, os netos de portugueses tem direito à naturalização, ou seja, adquirem a nacionalidade apenas a partir do momento em que ela é concedida, sem efeitos retroativos. Ou seja: você se torna português a partir da decisão que defere seu pedido. Se você tiver um filho que nasceu antes disso, ele não terá direito à cidadania portuguesa. Os filhos nascidos depois da aquisição da nacionalidade, no entanto, já serão portugueses, bastando registrá-los.



468x60_reload-V2

A primeira coisa que você precisa saber antes de juntar a documentação é o número do assento de nascimento do seu avô/avó. Essa informação terá que constar do requerimento. Sem ela nem adianta seguir em frente. Se você souber onde ele/ela nasceu, pode mandar um e-mail para o cartório do registro civil correspondente e solicitar a informação. No meu caso eu pedi uma cópia do assento de nascimento por intermédio do Consulado. Em dez dias eu já estava com a cópia da certidão em mãos e custou 142 reais.

Depois que você tiver essa informação, basta seguir o procedimento descrito no site do Consulado de Portugal em São Paulo. São esses os documentos solicitados:

  • Certidão de nascimento do requerente, em Inteiro Teor e emitida há menos de um ano. Verifique se consta o nome do declarante do nascimento, e se a declaração foi feita na menoridade do requerente;
  • Certidão de Nascimento por fotocópia do livro de registos de nascimento do requerente, emitida a menos de um ano;
  • Certidão de nascimento do progenitor (pai ou mãe) filho do cidadão português, em Inteiro Teor e emitida há menos de um ano. Verifique se consta o nome do declarante do nascimento, e se a declaração foi feita na menoridade do seu progenitor;
  • Cópia autenticada de diploma de conclusão de ensino fundamental, médio ou superior, emitido por estabelecimento de ensino brasileiro. Eu sugiro que seja o diploma do ensino fundamental ou médio, junto com cópia do histórico escolar (pelos motivos que explico mais adiante);
  • Atestado de antecedentes criminais brasileiro (emitido no site da Polícia Federal);
  • Cópia autenticada da carteira de identidade (RG). Se este não for recente, juntar também cópia autenticada do passaporte (somente as páginas das quais conste assinatura, foto e identificação);
  • Atestados de antecedentes criminais de todos os países nos quais morou, se for o caso.
  • Requerimento preenchido e assinado, com firma reconhecida por autenticidade. O documento pode ser obtido em nesse link.

O custo para obter essa documentação varia de estado para estado. Você vai pagar por três certidões de inteiro teor, mais a autenticação de dois a quatro documentos, mais um reconhecimento de firma por autenticidade, mais o apostilamento de todos eles. Tomando por base o Rio de Janeiro eu diria que você vai gastar cerca de 600-700 reais nesse momento.

Atenção: se o ascendente português ou de origem portuguesa não for o declarante do nascimento, será preciso juntar também a certidão de casamento dos pais ou avós, conforme o caso.

Como meu pai, embora brasileiro, nasceu em Portugal, não precisei juntar a certidão de nascimento atualizada dele. Bastou juntar uma cópia simples do documento.

Voltando à questão do diploma. A cópia solicitada é para comprovar que você fala português. No entanto, recebi uma carta de exigências solicitando a apresentação de histórico escolar que comprovasse o estudo da língua portuguesa. Acabei mandando o do ensino médio, mas acho que o do fundamental também serviria. Então sugiro que você mande o histórico junto com a documentação exigida para adiantar o processo.

De posse dos documentos, você precisa providenciar a legalização deles, ou seja, fazer com que tenham validade em Portugal. Quando eu fiz era um procedimento muito chato, mas agora é bem fácil: basta ir a um cartório de notas e pedir para apostilar toda a documentação. O cartório fará um registro do documento junto ao Conselho Nacional de Justiça e emitirá um papel dando validade internacional à sua documentação.

Por fim, você precisa pagar a taxa de 250 euros. Para isso eu fui até uma agência dos Correios e emiti um vale postal internacional em nome do “Arquivo Central do Porto”, com a finalidade “manutenção de residentes”. Não esqueça de juntar o comprovante de emissão do vale junto com o resto da papelada.

Agora está tudo pronto para mandar para Portugal!

No site do Consulado eles dizem para mandar a documentação para a Conservatória dos Registros Centrais, em Lisboa. Pesquisando, no entanto, descobri que o Arquivo Central do Porto também tem competência para receber requerimentos de naturalização e o processo corre bem mais rápido. Além disso é possível mandar para outras conservatórias e para os balcões de nacionalidade. Se quiser mandar para o Arquivo Central do Porto, como eu fiz, o endereço é:  Rua Visconde de Setúbal, 328 4200-498 Porto.

No meu caso, depois de quatro meses recebi uma certidão de nascimento em casa! De posse disso você pode procurar o consulado português que atende a cidade onde você mora e pedir o cartão de cidadão (identidade portuguesa) e seu passaporte. Boa sorte!

Como tirar a nacionalidade portuguesa

Com o passaporte em mãos

E você? Tem alguma dica ou dúvida de como tirar a nacionalidade portuguesa? Compartilhe aqui nos comentários com a gente! 🙂

Obs.: O post quer ajudar você a começar o processo de aquisição da nacionalidade, mas não resolve as inúmeras questões que podem surgir caso a caso. Vamos deixar aqui uma lista de sites que podem ajudar a elucidar algumas questões aqui não esclarecidas.

 


Banner 728x90

Publicado por Rachel e Luciano Guedes

Somos um casal apaixonado por viagens e que compartilha relatos e dicas voltados, não exclusivamente, para programas românticos. Todas as nossas dicas são baseadas em nossas experiências.

Siga
Snapchat
viagemadois

comentários

  1. Marta Vasconcelos
    14 fev 2017

    Grata por divulgar sua vivência com tantos detalhes que, quando se trata ritos burocráticos e legais, são fundamentais.

    • Rachel e Luciano Guedes
      15 fev 2017

      Obrigado, Marta! O processo é relativamente simples e esperamos que ajude muitas pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *