Detalhes da nossa viagem para Suíça

15 maio 2017

Quem nos acompanhou nos últimos dias viu que semana passada estávamos explorando um novo país. Foi uma viagem muito especial porque estávamos comemorando nove anos juntos. Felizmente o Luciano não teria aulas no período da Queima das Fitas e pudemos fazer esta viagem fantástica, cheia de romance. Hoje vamos falar sobre como nos organizamos para estes dias, com tudo que você precisa saber antes da sua viagem para Suíça.

  • Passagem e duração da viagem

Escolher nosso destino, como quase sempre acontece, foi resultado de uma promoção da TAP. Conseguimos comprar um voo direto para Genebra, a partir do Porto, e lá fomos. Aquele velha história de que os destinos nos escolhem, sabe? Combinamos o melhor preço possível com a data do feriado letivo de que falamos acima. Ficamos seis dias e cinco noites no país, o que, já adiantamos, é insuficiente para conhecer tudo que a Suíça tem para oferecer. Embora seja um país relativamente pequeno, há muito para se fazer no país do chocolate. Decidimos, então, priorizar Genebra e a região de Interlaken, porta de entrada para visitar os Alpes Suíços.

  • Moeda e câmbio

Por não fazer parte da zona euro, a Suíça possui moeda própria. É o franco suíço, cujo valor unitário é um pouco inferior ao do euro. Como nós estamos morando em Portugal não procuramos nos informar quanto à taxa de câmbio no Brasil. Levamos euros e utilizamos cartão de débito e crédito. A melhor cotação que conseguimos foi de 1 euro = 1,065 francos na casa de câmbio em Genebra. Muitos lugares aceitam pagamento em euros, mas normalmente se faz com uma taxa de um pra um e com troco em francos. No cartão de crédito a taxa em relação ao real era próxima de 3,30 (IOF incluído) para o momento da nossa viagem.

  • Imigração

Como a Suíça faz parte da zona Schengen, se você estiver indo pra lá a partir de outro país integrante do acordo, você não precisará fazer imigração. Foi o nosso caso, pois saímos de Portugal. Se, no entanto, você estiver indo em um voo direto do Brasil ou de outro país de fora da zona, será preciso fazer imigração e apresentar todos os documentos, como passaporte e seguro-viagem com cobertura mínima de 30 mil euros.

Veja mais detalhes de “Como escolher um seguro viagem“.

viagem para Suíça

Nós no topo da Europa, um dos passeios imperdíveis.

  • Transporte entre as cidades

Suíça é sinônimo de trem/comboio. Usar o sistema ferroviário é a melhor maneira de chegar a quase qualquer canto do país. A malha é extremamente capilarizada e há diversos horários, mesmo para cidades menores. Também existe a possibilidade de adquirir o Swiss Travel Pass, que permite que você viaje sem custos adicionais na maior parte das linhas existentes no país (em algumas linhas, no entanto, é preciso reservar assento ou pagar bilhete próprio, mas com desconto na apresentação do passe).

Nós adquirimos o Swiss Pass de quatro dias na estação principal de Genebra e pagamos 259 francos suíços para cada um. Usamos nos seguintes trechos, sem adicional nenhum: Genebra x Berna; Berna x Lucerna; Lucerna x Interlaken (trem panorâmico); Interlaken x Lauterbrunnen; Grindelwald x Interlaken e Interlaken x Genebra. Também está incluído no Swiss Pass o passeio de barco em Interlaken. Para subir o Harder Kulm e ir até Jungfrau (partindo de Lauterbrunnen e voltando por Grindelwald) foi preciso adquirir bilhetes específicos, mas usamos o desconto oferecido para portadores do passe.

O ideal é fazer as contas e ver se vale a pena comprar o passe. Entramos nos sites, simulamos os trens que sabíamos que íamos pegar e o Swiss Pass se revelou mais econômico. Outra vantagem foi a liberdade que tivemos para decidir o que fazer sem nos preocupar com compra de passagens, o que permitiu que conhecêssemos lugares aos quais não teríamos ido para economizar. Outro ponto positivo: em regra não é preciso trocar as passagens. Era só ver o horário do trem e entrar. Durante a viagem bastava apresentar o passe ao fiscal de bordo. Simples assim. O Swiss Pass pode facilitar muito sua viagem para Suíça.

  • Clima

Como todos sabem, a Suíça é um país frio. Nós fomos já em maio, alto da primavera e pegamos um friozinho. Claro que nos alpes vai ser sempre mais frio, inclusive no Jungfrau tem neve o ano inteiro e foi lá onde pegamos ventania e as menores temperaturas! Portanto, levar um bom casaco é essencial. Nós demos sorte durante a viagem e pegamos alguns dias de sol. Nesses dias a temperatura ficou na faixa de 15/20 graus. Deu para ficar sem casaco em alguns oportunidades. Mas, especialmente pra quem não está acostumado com frio, roupa térmica e casaco serão seus melhores amigos, especialmente no outono e no inverno.

viagem para Suíça

passeio de barco em Interlaken

  • Língua

São quatro idiomas oficiais:  francês, alemão, italiano e romanche. Genebra, nossa base, fica na parte francesa e, por ódio, tem o francês como idioma principal. Nós não tivemos nenhuma problema aqui. Primeiro, porque todas as pessoas com quem tivemos contato falavam inglês. E, segundo, porque a Rachel tem uma boa noção de francês. Em Genebra as pessoas já iniciavam a conversa em inglês ou arriscavam um espanhol. Mas a partir de Berna todas as cidades por onde passamos tinham o alemão como língua principal. Isso foi engraçado (ou trágico), pois não falamos nem um “oi” na língua. Felizmente não tivemos problemas pois todos falavam inglês. Mas achamos curioso o fato de, em todos os lugares (todos mesmo, farmácia, mercado, restaurantes, hotel etc), as pessoas sempre iniciarem a conversa em alemão. Nós informávamos que não sabíamos alemão e aí a comunicação, de fato, acontecia.

  • Preços

Não há como negar: a Suíça é cara. Ponto. Arriscamos dizer que, até hoje, foi o país mais caro que já visitamos. Para terem uma ideia de comparação: um café aqui em Portugal custa 0,60 euros. Lá, no McDonald’s. o café custava 3,80 francos. Uma refeição em restaurante saía, na média, por uns 60 francos. Uma barra de chocolate industrializado de 100g custa cerca de 2,50 francos. A água de 500ml era, na média, 3 francos, mas no mercado conseguimos comprar 1,5L por 0,95 francos. Uma das principais redes de mercado da Suíça é a Coop. Fomos várias vezes comprar água e chocolates. Existem várias lojas espalhadas pelo país, muitas dentro das estações de trem. É uma excelente opção para economizar uns francos.

viagem para Suíça

Nós no Harderkulm, em Interlaken.

Veja mais da nossa viagem no Instagram (@blogviagemadois) através da #viagemadoisnasuica pois postamos várias fotos por lá!

Aos poucos vamos compartilhar todas as nossas dicas para sua viagem para Suíça. Vamos falar de todos os hotéis e cidade por onde passamos, nosso roteiro detalhado, passeios e muito mais. E você? Tem dicas para compartilhar com a gente? Deixe aqui nos comentários.

 

Publicado por Rachel e Luciano Guedes

Somos um casal apaixonado por viagens e que compartilha relatos e dicas voltados, não exclusivamente, para programas românticos. Todas as nossas dicas são baseadas em nossas experiências.

Siga
Snapchat
viagemadois
Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *